quinta-feira, 7 de janeiro de 2010

CARDEAL DO VATICANO DIZ QUE HOMOSSEXUAIS NÃO VÃO PARA O CÉU

Um importante cardeal do Vaticano causou alvoroço na imprensa secular ontem ao declarar que os homossexuais que agem de acordo com seus impulsos não poderão ir para o céu.



“Os transexuais e os homossexuais jamais entrarão no Reino do Céu e não sou eu quem diz isso, mas São Paulo”, disse o Cardeal Javier Lozano Barragan, mexicano e ex-presidente do Concílio do Vaticano para a Assistência Pastoral dos Trabalhadores da Saúde. O cardeal estava reiterando o ensino católico que declara que qualquer atividade sexual fora do casamento sem arrependimento antes da morte é um pecado mortal, impedindo pois a entrada no céu.


Em seus comentários publicados no site de notícias italiano Pontifex, o cardeal também apontou que a Igreja Católica não condena a condição de ser homossexual como tal. Em vez disso, são os próprios atos homossexuais que são mortalmente pecaminosos.


“Ninguém nasce homossexual”, disse o Cardeal Barragan. “As pessoas se tornam homossexuais, por motivos diferentes: questões de educação ou porque não desenvolveram sua própria identidade durante a adolescência. Pode não ser a culpa delas, mas agir contra a natureza e a dignidade do corpo humano é um insulto a Deus”.


Embora a declaração do cardeal acerca da ética sexual cristã tenha sido expressa com precisão teológica, os meios de comunicação seculares e os grupos homossexuais reagiram com choque e ira. A organização italiana de ativismo homossexual Arcigay divulgou uma declaração dizendo: “Sim, é verdade. Nunca entraremos em seu céu, que é um lugar sombrio e injusto”.


A referência do Cardeal Barragan a São Paulo foi em grande parte da carta do santo aos romanos, em que ele repreendeu aqueles que se entregam a uma variedade de pecados, um dos quais é a homossexualidade. São Paulo escreveu: “A ira de Deus se revela desde o céu contra toda a impiedade e injustiça dos homens que suprimem a verdade”. O resultado dessa negação é que essas pessoas são entregues a “paixões degradantes”.


A carta continua: “As mulheres trocaram a função natural por aquilo que não é natural. E da mesma forma também os homens abandonaram a função natural da mulher e se queimaram em seus desejos uns para com os outros, homens com homens cometendo atos indecentes e recebendo em suas próprias pessoas a devida pena de seu erro”. A passagem também condena a ganância, inveja, assassinato, discórdias, engano, malícia, fofoca, difamação e desobediência aos pais.


A referência de Barragan à desordem da homossexualidade se reflete no Catecismo da Igreja Católica, publicado durante o pontificado de João Paulo 2, que diz que embora a “origem psicológica” da inclinação homossexual “permaneça em grande parte sem explicação”, os atos em si são “atos de grave depravação” e “intrinsecamente doentes”.


“Eles são contrários à lei natural. Eles fecham o ato sexual ao dom da vida. Eles não procedem de uma genuína complementaridade afetiva e sexual. Sob nenhuma circunstância eles poderão ser aprovados”. O Catecismo também diz que os homossexuais, como todas as pessoas que querem viver vidas normais, são chamados à “castidade” e às “virtudes do domínio próprio”.


O Cardeal Barragan também reiterou a seção do Catecismo que exorta contra a discriminação aos homossexuais, dizendo: “Isso não justifica qualquer forma de discriminação”.


“Nós na terra não podemos condenar, e como seres humanos todos temos os mesmos direitos”.

FONTE: NOTICIAS CRISTÃS



Um comentário:

  1. Graça e paz!
    Vim conhecer seu Blog e quero te parabenizar pela bênção que pude ver aqui.
    Já estou seguindo.
    Venha dar a honra de sua visita no PASTORAGENTE.BLOGSPOT.COM e, se quiser seguí-lo, vai ser uma alegria para mim.
    Lá eu exponho da forma mais realista e divertida possível as situações, dúvidas e experiências de uma simples pastora como eu.
    Fique na paz e um 2010 abençoado para você e toda sua família.
    Abração!!!

    ResponderExcluir